Silves homenageou José Vitoriano

pub

Foi inaugurado, este Domingo, um busto de José Vitoriano, membro do Partido Comunista Português, Presidente do Sindicato Nacional dos Corticeiros, resistente antifascista, dirigente de várias colectividades e deputado e vice-Presidente da Assembleia da República. O monumento foi colocado no Largo das Pimenteiras de Silves (junto à Catedral da cidade).

A presidente da Câmara de Silves, Rosa Palma, destacou, na ocasião, a figura humana e o silvense empenhado, quer na construção da sua educação, quer na melhoria das condições de vida dos trabalhadores. A autarca referiu, ainda, que o homenageado “notabilizou-se pela sua persistência, inteligência e capacidade de se relacionar com todos” e acrescentou que “ao trabalharmos hoje em prol das nossas populações, reivindicando melhores condições de vida para todos, reivindicando melhor acesso à saúde, reivindicando melhores transportes, estamos a honrar a memória deste grande silvense”.

Vasco Cardoso, membro do Comité Central do Partido Comunista Português traçou o perfil do militante, que sacrificou a sua vida pessoal e familiar em prol daquilo em que acreditava, já que por duas vezes foi preso (esteve 17 anos em cativeiro), passou pela clandestinidade e, depois do 25 de Abril de 1974, serviu o país como deputado e Vice-Presidente da Assembleia da República, tendo sido distinguido por esse seu longo percurso com a Comenda da Ordem da Liberdade.

Dirigente sindical ainda no tempo da clandestinidade e depois do 25 de Abril, foi homenageado também por António Goulart, representante da CGTP, que recordou a figura do sindicalista que, em determinados momentos, tudo fez para ouvir a sua voz em defesa dos trabalhadores: “José Vitoriano era uma pessoa de baixa estatura e recorda-se um episódio em que, para poder falar a um grupo de trabalhadores, subiu para cima de uma mesa de ping-pong, e se fez assim ouvir”.

Maria João Duarte, historiadora e biógrafa de José Vitoriano, recordou o homem inteligente, a boa pessoa, que gostava de silêncios e conversas demoradas: “Muitos dos que aqui estão recordam certamente uma expressão muito sua. Dizia: Camarada, senta-te, porque com ele as conversas eram sempre demoradas e saborosas”.

Carlos Vitoriano, seu filho, falou do pai atento, mas ausente devido à prisão, recordando as visitas que lhe fez no cárcere, com sua mãe, Diamantina e o facto de já só adulto poder ter convivido de forma mais próxima com José Vitoriano.

Leia também:

Homem detido por suspeita de burla

Ofertas de emprego da semana

Praia da Rocha recebe festival de música electrónica

(Visited 85 times, 1 visits today)
pub
ViladoBispo_Banner_Fev

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *