“Não retiro uma única palavra ao que disse”

pub
pub

Carlos Bicheiro, o homem contra quem a presidente da Câmara de Portimão anunciou ir avançar com uma queixa-crime, mostra-se tranquilo e diz não temer as consequências que daí resultarão.

Em declarações ao ‘Algarve Marafado’, este militante do PSD não se mostra arrependido pelas expressões usadas no discurso que motivou esta decisão, pelo contrário, “reafirmo tudo o que disse, não retiro uma única palavra”.

Faz questão de lembrar que, noutros tempos, “fui ouvido pela polícia política”, pelo que, garante não recear, nem ficar intimidado por este tipo de situação.

Reconhece “o direito a toda a gente e, naturalmente também à senhora presidente, de mover uma queixa-crime” a quem quer que seja, mas diz não ter medo disso. E, inclusivamente, admite pagar na mesma moeda. Ou seja, pode vir a apresentar uma queixa-crime contra Isilda Gomes, neste caso, alegando “denúncia caluniosa”.

Carlos Bicheiro foi o representante do PSD na sessão comemorativa do 25 de Abril. Na altura, proferiu um discurso muito crítico sobre a governação socialista na Câmara de Portimão, referindo-se, particularmente, aos resultados financeiros de 2015 que tinham sido aprovados uns dias antes.

Isilda Gomes não apreciou a sua intervenção, em especial, a expressão “fraude nas contas do município”. Tanto assim foi que na sessão da Assembleia Municipal desta Quarta-feira, 11 de Maio, anunciou ter dado instruções aos serviços jurídicos da autarquia para apresentarem uma queixa-crime ao Ministério Público.

Leia também:

Câmara de Portimão avança com queixa-crime contra político da oposição

Oposição portimonense garante que a situação financeira da Câmara não saiu do vermelho

Isilda Gomes desafia a oposição a propor uma auditoria independente às contas da Câmara

Subscreva a nossa Newsletter 

(Visited 1.208 times, 1 visits today)
pub
pub
pub
ViladoBispo_Banner_Fev
pub
pub

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.