A vida difícil de quem gere um lar de idosos

pub

(Primeira parte de uma reportagem originalmente publicada no Portimão Jornal, que pode ler na versão impressa ou online, aqui. Pode ler a 2ª parte aqui).

A pandemia da Covid-19 fez com que a instituição que Mário de Freitas lidera na Misericórdia de Alvor tivesse de alterar o seu modo de funcionamento para cumprir as regras da Direção-Geral da Saúde e, assim, diminuir o risco do aparecimento e disseminação do vírus.

Uma das estratégias seguidas passou por “organizar os nossos recursos humanos no sistema de espelho”. Isso significa que, ao longo de cada semana, há três equipas a trabalhar por turnos e igual número de funcionários em casa. O objetivo é que, na eventualidade de surgir um foco de infeção entre o pessoal, ele fique circunscrito a quem está num determinado turno. Os elementos que o compõem serão colocados em quarentena e substituídos pelos de outra equipa.

A mesa administrativa a que preside achou, também, que havia a necessidade de encerrar os centros de dia e de convívio. Dolorosa foi, igualmente, a opção de suspender a visita dos familiares dos idosos, pois “o nosso espaço não tem condições para que sejam feitas em condições de segurança”.Para tentar que a separação não doesse tanto, “colocámos no exterior uma rede separadora, possibilitando a que, a alguma distância, os familiares possam continuar a falar com os utentes, sem entrar nas instalações”.

O provedor diz que as restrições causadas pela pandemia “têm afetado praticamente toda a gente, mas em especial, os mais idosos”. Por parte dos funcionários da instituição e de si próprio, “tudo fazemos para minorar a solidão que sentem, mas não é uma tarefa fácil”.

Maior empregadora da freguesia

O lar conta com 28 utentes, o centro de dia de Alvor era frequentado por 16 e o dos Montes de Alvor por 21. Outra valência da Misericórdia é uma creche que tem, nesta altura, 80 crianças – passarão a ser 84 muito em breve – e onde foram também tomadas as necessárias medidas de prevenção. Do património da instituição fazem ainda parte uma Igreja e um Museu Etnográfico.

Para além da sua relevante missão de apoio social, a Misericórdia também tem uma função económica muito importante, uma vez que “é a maior empregadora de Alvor, com cerca de meia centena de trabalhadores”. O cargo, que exerce desde 2017, “de forma inteiramente gratuita, porque o que me move é apenas o sentido de missão”, tem-se revelado “uma extraordinária experiência humana, muito enriquecedora, naturalmente que com momentos alegres e tristes”.

Ainda assim, não pretende recandidatar-se após o final do atual mandato, que termina em janeiro do próximo ano. Desde logo porque, como leva a sua tarefa muito a sério, o seu dia a dia é quase por completo vivido na instituição, sobrando-lhe pouco tempo para a família e o lazer. Também considera que “as pessoas não devem eternizar-se nestes cargos” e que, “juntamente com a equipa que me acompanha, cumpri os objetivos assumidos”. Nesta altura, garante com orgulho, “a Misericórdia está devidamente organizada e não deve nada a ninguém”.

O provedor faz, também, questão de destacar “o extraordinário trabalho” desenvolvido pelo Secretariado Regional da União das Misericórdia Portuguesas que, sob a liderança de Armindo Vicente, “muito tem feito para que estas instituições tenham conseguido responder de forma extremamente positiva à dura realidade com que nos deparamos”.

(Primeira parte de uma reportagem originalmente publicada no Portimão Jornal, que pode ler na versão impressa ou online, aqui. Pode ler a 2ª parte aqui).

A seguir, na 3ª parte: O homem que conseguia levar o povo às assembleias políticas.

LEIA TAMBÉM:

De Moçambique para Alvor

Covid-19: Mais 59 casos registados no Algarve

Ofertas de emprego da semana

(Visited 178 times, 1 visits today)
pub
pub
pub
pub
ViladoBispo_Banner_Fev