Bloco de Esquerda quer mais investimento na Saúde

A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda/Algarve considera ser necessário maior investimento público que permita a contratação de mais médicos pediatras e obstetras, além de outros recursos humanos, e a criação de incentivos e valorização de carreiras.

Desta forma, refere aquela estrutura política, em comunicado, “evita-se a sangria de médicos para o privado e a concorrência desleal com o SNS. Esta é uma responsabilidade que cabe ao poder central, no caso concreto ao governo de maioria absoluta do PS”.

No documento, o Bloco de Esquerda foca-se, essencialmente, no facto do bloco de partos/maternidade de Portimão ter vindo a encerrar, de forma constante, ao longo de diversos períodos, por falta de pediatras.

Segundo o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), que integra os hospitais de Faro, Portimão e Lagos, a carência de médicos pediatras conduziu a uma reorganização dos serviços articulada entre as unidades hospitalares de Faro e de Portimão durante o período de final do ano, “de forma a garantir os melhores cuidados de saúde à população”.

O Bloco lembra que, “durante o referido período o atendimento nas urgências de pediatria no Hospital de Portimão foi assegurado por médicos não especialistas, funcionando como serviço de urgência básico, sendo o internamento realizado pelo Serviço de Urgência Pediátrica de Faro. Referiu ainda o CHUA que tem estado a trabalhar para resolver a falta de recursos humanos mediante a contratação de novos profissionais para o ano de 2023”.

Contudo, “as intenções e afirmações do CHUA caem pela base e só servem para desculpabilizar o governo pelas graves responsabilidades que tem ao deixar degradar os serviços na maternidade de Portimão, em risco de total encerramento. Com efeito e segundo veio a público recentemente, o bloco de partos de Portimão encerra aos fins de semana até abril, obrigando as grávidas com mais de 22 semanas de gestação a deslocar-se ao hospital de Faro, a 70 quilómetros de distância”.

Para o Bloco de Esquerda, esta é “uma situação inaceitável, de extrema violência para as parturientes e que coloca em causa o SNS no Algarve e, muito em particular, a manutenção do bloco de partos em Portimão. Há grávidas que, do Barlavento algarvio, têm de percorrer mais de 100 quilómetros para chegar à maternidade de Faro”.

Conclui este partido que para solucionar os problemas da maternidade de Portimão, mantendo-a aberta em permanência e com a prestação de bons cuidados, assim como melhorar o SNS na região, torna-se imperioso atacá-los de frente, o que implica maior investimento por parte do Estado.

Leia também: Homem ferido em acidente em Portimão

……………….
VÍDEO EM DESTAQUE

Despiste aparatoso em Portimão

Assista aqui a todos os nossos vídeos

LEIA TAMBÉM:

Quatro feridos em colisão entre duas viaturas em Portimão

Os eventos que vão animar Portimão nos primeiros meses de 2023

Os eventos que vamos ter no Algarve em janeiro

(Visited 15 times, 1 visits today)
pub
ViladoBispo_Banner_Fev