“PS tornou-se uma extensão do Governo PSD/CDS” na questão das portagens

pub

A Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI) acusa o PS de se ter transformado numa extensão do governo PSD/CDS, no que às portagens diz respeito.

O episódio mais recente que leva a CUVI a avançar com esta acusação tem a ver com o facto do Parlamento ter, esta Sexta-feira, 31 de Março, chumbado propostas para a eliminação das portagens na Via do Infante, por força dos votos de PS, PSD e CDS/PP. Mais uma vez, refere esta comissão, “verificou-se uma coligação negativa entre estas três forças políticas contra o Algarve, contra os anseios e reivindicações dos seus utentes e populações.”

Para a CUVI, a rejeição dos Projectos de Resolução do Bloco de Esquerda, do PCP e dos Verdes, propondo a abolição das portagens na principal via de comunicação da região significa que aqueles deputados “continuam insensíveis ao sofrimento e à tragédia em que mergulhou o Algarve desde há 5 anos com a introdução de portagens e ao agravamento da sinistralidade rodoviária, grande parte ocorrida na EN125, uma “rua urbana” e considerada a via mais mortífera do país.”

Só no ano passado, lembra esta comissão, “houve no Algarve 10.241 acidentes de viação, com 31 vítimas mortais e 158 feridos graves, grande parte na EN125, que se encontra longe de estar requalificada e transformada numa autêntica armadilha.”

Esta votação também significa que os deputados de PS, PSD e CDS/PP, igualmente, “continuam indiferentes a um contrato ruinoso e obscuro que envolve a PPP da Via do Infante, pois em cada ano que passa subtrai ao Estado e aos contribuintes mais de 30 milhões de euros, mesmo com a cobrança de portagens. PS, PSD e CDS/PP continuam assim indiferentes ao retrocesso da mobilidade e às dificuldades económicas e sociais de empresas e pessoas na região.”

Em alternativa, PSD e do CDS/PP, apresentaram no Parlamento propostas que “de tão irrelevantes e ridículas constituem um insulto ao Algarve e apenas tentam branquear as graves responsabilidades que têm na imposição de portagens e o facto de votarem sempre pela sua manutenção.” Inclusivamente, a do PSD “não passa de uma autêntica trapalhada e embuste, visto ser tecnicamente impraticável.

Agora, “a responsabilidade coloca-se toda no Primeiro-Ministro e no governo, tanto mais que António Costa reconhecendo que a EN125 era um “cemitério”, admitiu levantar as portagens no Algarve. Espera-se que o faça antes do próximo verão, evitando a repetição de um novo “inferno” na região.”

Para pressionar o Governo, a Comissão de Utentes da Via do Infante volta a organizar mais uma iniciativa de protesto, no próximo dia 17 de Abril, que toma a forma de uma marcha lenta de viaturas pela EN125, entre as Quatro – Estradas e Lagoa, com partida pelas 15 horas, junto ao Restaurante Zé do Norte.

A CUVI também vai solicitar que o Presidente da República e o Primeiro-Ministro recebam uma delegação alargada composta por elementos da CUVI, empresários, autarcas e outras entidades do Algarve, “procurando sensibilizá-los para que o Algarve volte a ser uma região livre de portagens com urgência, tendo em conta os graves constrangimentos que se continuam a verificar na região.”

Leia também:

Quatro detidos no Aeroporto de Faro

Vigiavam multibancos e roubavam o dinheiro levantado

(Visited 123 times, 1 visits today)
pub

pub
ViladoBispo_Banner_Fev
pub

pub

pub

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.