Exposição pode ser visitada através do recurso a áudio-guias

A exposição “Loulé: Territórios, Memórias, Identidades”, patente no Museu Nacional de Arqueologia – Mosteiro dos Jerónimos desde 21 de Junho de 2017, já pode ser visitada através do recurso a áudio-guias e a áudio-descrição. O visitante pode realizar uma visita autónoma, sem marcação de dia e hora através do recurso gratuito a aparelhos de áudio-guias.

Para além da disponibilização deste equipamento, é possível realizar visitas áudio-descritas, mediante solicitação para o email: exposicaolouleeducativo@mnarqueologia.dgpc.pt. Até ao momento já se realizaram duas visitas com áudio-descritores.

Organizada pelos Museus Nacional de Arqueologia e Municipal de Loulé, a exposição “Loulé: Territórios, Memórias e Identidades” patente ao público desde Junho de 2017, no Mosteiro dos Jerónimos, conta desde a inauguração com mais de 100 mil visitantes.

Esta mostra dá a conhecer aos visitantes os mais de sete mil anos de história do território do Concelho e retrata as estratégias de ocupação do Homem ao longo dos tempos, na serra, no barrocal e no litoral, do município algarvio com mais área territorial. Destaca-se também os resultados das escavações de paleontologia que presentemente decorrem na Rocha da Pena (Salir), coordenadas pelo paleontólogo Octávio Mateus, da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, e que nos revelaram, no território português, o primeiro espécime do anfíbio metopossaurus, que recebeu o nome de algarvensis, e de um fitossauro, permitindo-nos olhar para o território que é hoje Loulé há 227 milhões de anos, no Triásico.

Para pôr de pé esta exposição, ao todo, foram inventariados 1200 bens culturais, dos quais 504 bens foram seleccionados para expor tendo 166 sido restaurados.

Os bens culturais provêm de 12 instituições distintas, entre as quais se destacam, além do Museu Nacional de Arqueologia, o Museu Municipal e o Arquivo Histórico de Loulé e o Museu e Estação Arqueológica do Cerro da Vila (em Vilamoura) que emprestaram mais de 80% das peças à exposição, às quais se juntam a UNIARQ-Centro de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o Museu Municipal de Faro, o Museu Municipal da Figueira da Foz, o Museu Municipal de Arqueologia de Albufeira, o Museu Municipal de Arqueologia de Silves, a Universidade do Algarve, a Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova e o Museu da Lourinhã.

Leia também:

Ofertas de emprego para o Algarve (2 de Março)

Mau tempo leva multidão de curiosos à zona da Marina de Portimão

PSP de radar em punho (Março)

(Visited 59 times, 1 visits today)
pub
pub
ViladoBispo_Banner_Fev
pub

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.