O negócio da partilha de cozinhas e escritórios

(Reportagem também disponível na edição em papel do Portimão Jornal ou na sua versão online, aqui)

Depois de, ao longo dos últimos cinco meses, terem desenvolvido o modelo de co-working de cozinhas, Pedro e Joana Esteves preparam-se, agora, para alargar esse conceito a uma outra área.

O modelo consiste no aluguer, por hora, período, ao dia ou ao mês, de um espaço devidamente equipado para o desenvolvimento de determinados negócios.

No caso dos restaurantes, diz Pedro Esteves, “as instalações são dos maiores custos que os empresários do setor têm”. Precisam de encontrar instalações que possuam as condições de que necessitam, de avançar com uma caução e de, mensalmente, ir pagando a renda e todos os restantes custos inerentes à atividade, como, entre outros, luz, água, seguros, gás e internet.

Trata-se de um investimento elevado, sobretudo para quem está a começar e não sabe se vai vender o suficiente para obter receitas que cubram todos esses custos. Como até nem têm necessidade de ter à sua disposição uma cozinha ao longo de 24 horas diárias, a empresa que os dois irmãos criaram, a ‘Link-a-Ring’, propõe-lhes que aluguem um espaço apenas e quando dele necessitem.

A forma de pagamento mais habitual é de uma verba fixa, que depende do número de horas em que a cozinha é ocupada, mas há também a possibilidade de um pagamento variável, que tem como referência o valor das vendas.

Desta forma, adiantam estes empreendedores, “o risco dos empresários que a nós recorrem é substancialmente reduzido”. Caso o negócio não corra como esperado podem desistir, tendo-lhes a experiência custado, em termos financeiros, bem menos do que se tivessem optado pelo modelo tradicional.

Se as coisas funcionarem como desejado e sintam que está na altura de dar o ‘salto’, podem então abrir um espaço físico próprio, sabendo que existem clientes e mercado para rentabilizar os seus projetos. Pedro Esteves diz que “isso tem acontecido com várias empresas que foram nossas clientes, o que nos deixa muito felizes, pois é sinal de que cumprimos com sucesso a nossa função”.

Sistema inovador em Portugal

Joana Esteves refere que, nesta fase, “temos tido procura por parte de empreendedores na área do catering e take away, muitos deles numa fase inicial da sua atividade, mas também de restaurantes que já funcionam há bastante tempo e que, com a pandemia, sentiram a necessidade de ampliar a vertente da venda para fora e não tinham as condições necessárias para o efeito”.

Outro dos clientes que tiveram era “uma pessoa que trabalhava na pesca e que ocupava as nossas instalações a partir das 4 e meia da manhã, a processar o peixe para posterior venda”.

Formado em gestão hoteleira, Pedro Esteves há muito que tem o ‘bichinho’ do empreendedorismo, tendo-se dedicado à construção e lançamento de projetos e empresas de várias áreas, utilizando, essencialmente, meios digitais e tecnológicos.

Tomou conhecimento deste modelo de co-working de restauração através de empresas estrangeiras e “entendemos que fazia sentido ‘importá-lo’, pois acaba por ser uma mais-valia para nós e para os nossos clientes que, por este meio, reduzem consideravelmente os seus custos”. No país, na altura em que os dois irmãos deram os primeiros passos, “praticamente não havia nada do género, agora é que já vão aparecendo alguns, temos conhecimento de dois ou três”.

Quando resolveram avançar ligaram-se à StartUp Portimão, que se tem revelado um parceiro importante, sobretudo ao nível da promoção. Ainda recentemente Pedro Esteves marcou presença na sessão comemorativa do 4º aniversário daquela incubadora, onde apresentou a sua empresa perante uma plateia composta por outros empreendedores e por responsáveis políticos de âmbito local, regional e até nacional.

Modelo adaptado a outras áreas

Ao longo destes meses verificaram que se trata de uma aposta que tem grandes potencialidades, pelo que, agora, os dois irmãos preparam-se para mudar para umas instalações mais adequadas, num outro local da cidade. Se a resposta continuar a ser positiva, há a possibilidade de alargar a oferta, com a abertura de mais espaços.

Em termos de zonas, o que está definido é que “não sejam das mais caras, de forma a podermos cobrar preços acessíveis aos nossos clientes, mas que se situem em áreas de grande densidade populacional”.

Mas, ao mesmo tempo que preparam a mudança, os dois irmãos dão os primeiros passos para levar este conceito para uma nova área. Joana Esteves é profissional na área da psicologia e da experiência que tem e do contacto que mantém com os seus colegas chegou à conclusão de que “o modelo de co-working também pode funcionar não só para estes profissionais, como para psicoterapeutas, psiquiatras e outros terapeutas pois vai permitir-lhes ter instalações que utilizem apenas quando precisam, o que faz com que baixem os seus custos”.

Nesta altura, os dois empreendedores já estão a adaptar um espaço situado no centro da cidade, bem perto do edifício da Câmara, que será composto por uma sala de consultas e uma outra equipada com uma marquesa e outros equipamentos que possam ser necessários para o tipo de clientes que esperam vir a alugá-lo.

LEIA TAMBÉM:

PJ detém suspeitos de homicídio de idoso

Quinze ofertas de emprego para a Câmara de Portimão

Na estrada com os Xutos & Pontapés

(Visited 408 times, 1 visits today)
pub
pub
ViladoBispo_Banner_Fev
pub