As pragas ‘amaldeçoadas’ de Alvor

pub

(A reportagem também pode ser lida no Portimão Jornal, aqui)

Deixar testemunhos escritos sobre a história, as tradições e os usos e costumes de Alvor são objetivos assumidos pelo presidente da Junta de Freguesia local, Ivo Carvalho.

Para que as futuras gerações possam conhecer o passado da vila, aquela autarquia tem, ultimamente, vindo a apostar na edição de livros.

Através de um deles procura-se perpetuar as famosas pragas de Alvor. Escrito por Fernando Santos Graça, consiste numa recolha não só das pragas como de outras expressões típicas, usadas sobretudo pelos pescadores e as suas famílias.

Ivo Carvalho destaca o facto de “no livro se procurar explicar e contextualizar este enorme património cultural, dando-se assim a conhecer aos leitores a forma como surgiram e foram adotadas pela comunidade”.

Para o efeito, o autor socorreu-se de informação já publicada, em especial por Margarida Tengarrinha, na obra ‘Da Memória do Povo, Recolha da Literatura Popular de Tradição Oral do Concelho de Portimão’, tendo-a posteriormente ‘validado’ junto de habitantes locais, que confirmaram o seu uso, bem como outros pormenores que enriquecem o livro.

O presidente da Junta diz que “foi muito giro envolver a comunidade nesta iniciativa, pois os testemunhos recolhidos dão maior autenticidade e colorido e permitem ter uma ideia mais clara sobre a forma como se vivia em Alvor e as relações que se estabeleciam entre as pessoas”.

Lendas e mitos

As pragas surgiam, normalmente, “a partir de brigas e desavenças entre familiares e vizinhos” e eram uma forma imaginativa de se verbalizar a irritação que se sentia por alguém e ‘convocar’ o universo para que desse o castigo devido a quem se portava mal.

Para além das pragas resolveu-se colocar no livro outras expressões orais que, em tempos, eram muito utilizadas na vila e que contribuem também para compreender o ‘ADN’ das gentes de Alvor.

Num outro capítulo são elencadas algumas das principais lendas e mitos relacionadas com a freguesia. Uma delas é a dos três rochedos localizados na Praia dos Três Irmãos que, segundo reza a tradição, simbolizam três irmãos pescadores que foram apanhados por uma violenta tempestade, morreram e ficaram petrificados, convertendo-se em rochedos e dando nome a uma das mais famosas praias do Algarve.

Este livro segue-se a um outro, também editado pela Junta de Alvor e igualmente da autoria de Fernando Santos Graça, intitulado ‘Alvor com História’. Ambos assentam na estratégia de “contribuir para colmatar a falta de documentos escritos que contem um pouco da rica história da nossa freguesia”, diz o autarca.

Como se pretende que a informação chegue ao maior número possível de pessoas “procurou-se que fossem obras de fácil consulta, compostas por capítulos curtos”. Alguns dos temas abordados podem, no futuro, vir a ser desenvolvidos de forma mais profunda, eventualmente também sob a forma de livro.

A juntar à falta de documentos escritos, Ivo Carvalho constata a escassez do acervo fotográfico que a Junta tem. Para ‘atacar’ esse problema desafiou a população a ir ao baú buscar as suas fotografias, para que os respetivos originais ou cópias fiquem no arquivo da autarquia.

O autarca diz que avançou “com este projeto antes da pandemia, correu muito bem, as pessoas responderam positivamente ao repto e até foi feita uma exposição nas ruas da vila”.

A covid-19 veio colocar um travão neste e em muitos outros processos, mas é uma iniciativa que pode vir a ser prosseguida no futuro.

Outra das outras preocupações do presidente da Junta é recuperar documentação antiga sobre a sua história, em especial do tempo em que foi sede de concelho.

“As atas da altura acabaram por ir parar aos arquivos de Lagoa, tendo, a nosso pedido, o município local facultado à Freguesia de Alvor essa documentação em formato digital”, diz o Ivo Carvalho.

Pragas famosas de Alvor

⇨ “Oh, maldeçoade dum cabrã! Devias ter tanta sorte come o pêxe fora d’água”

⇨ “Ah, maldeçoade môce! Havia de te dar uma dor tã grande, tã grande que quanto más corresses más te doesse e só te curasses com sumo de pedra e osses de minhoca”

⇨ “Ah, maldeçoada! Havias de fecar tã magra, tã magra que passasses pelo beraco duma agulha de braces abertes”

⇨ “Ah, malsuado! Havia de dar-te uma dor de barriga tã grande, tã grande que só cagasses pedra britada”

⇨ “Ah, maldeçoade! Havias de ter uma fome tã rande, tã grande ou tã pequena que cabessem os alcatruzes todes que tem o mar dentre da tua barriga”

⇨ “Ah, maldeçoada! Antes a água do mar acabar de que tomar banhe contigo”

Expressões populares

⇨ “Maria na ponhas más comida! Já tem avonde,

já tou açampado”

⇨ “Ó Meguel, tu n’ouves é bradar per ti?”

⇨ “Atão Tonhe, na t’espachas? És même um óme empachade. Té pareces uma melher”

⇨ “Ah, maldeçuade! Na m’apareças aqui c’uma

berracha coma a d’outra vez”.

⇨ “Agora é c’a cumadre Josefina baldeou de vez…

Anda desmarrida com o marido q’é um borregão”

⇨ “Prontes, já tá a barreca armada”

⇨ “Ah maldeçoada da minha filha c’anda alvariada per cása daquele maldeçoade”

(A reportagem também pode ser lida no Portimão Jornal, aqui)

LEIA TAMBÉM:

Covid-19: Ponto de situação em cada um dos 16 concelhos algarvios

Os próximos eventos que vamos ter em Portimão

Seis detidos por tráfico de droga na Praia da Rocha

(Visited 1.166 times, 3 visits today)
pub
pub
pub
ViladoBispo_Banner_Fev