Quem é acusado de quê no processo da Câmara de Portimão

pub
pub

O «Algarve Marafado» teve acesso à acusação formulada pelo Ministério Público relativa a processos relacionados com a requalificação do Estádio de Portimão, Publicidade do Estádio, Formação Profissional e Cluster do Cinema e está em condições de divulgar quem é acusado do quê no âmbito desse processo.

Assim:

O arguido Luís Carito é acusado dos seguintes crimes:

1 crime de administração danosa em coautoria – art.º 235.º do Código Penal (CP), com moldura penal de pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

1 crime de abuso de poder em coautoria – art.º 26º nºs 1 e 2 da Lei 34/87, com moldura penal de pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou pena de multa de 50 a 100 dias.

1 crime de participação económica em negócio – art.º 23 da Lei n.º 34/87, com moldura penal de pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou pena de multa de 50 a 100 dias.

1 crime de burla qualificada – art.ºs 217º e 218º do CP com moldura penal de pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

1 crime de branqueamento – art.º 368º do CP com moldura penal de pena de prisão de 2 a 12 anos

1 crime de danificação ou subtracção de documento – art.º 359º do CP com moldura penal de pena de prisão até 3 anos ou pena de multa.

O arguido Jorge Campos é acusado dos seguintes crimes:

1 crime de administração danosa em coautoria – art.º 235.º do C. Penal, com moldura penal de pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

1 crime de abuso de poder em coautoria – art.º 26º nºs 1 e 2 da Lei 34/87, com moldura penal de pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou pena de multa de 50 a 100 dias.

As acusações do Ministério Público devem-se ao facto de, na qualidade de um dos Vogais da Comissão Executiva da empresa municipal, ter assinado, em representação da mesma, os contratos celebrados e não por ter obtido qualquer tipo de vantagem económica.

O arguido Artur Curado é acusado dos seguintes crimes:

1 crime de participação económica em negócio – art.º 23 da Lei n.º 34/87, com moldura penal de pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou pena de multa de 50 a 100 dias.

1 crime de burla qualificada – art.ºs 217º e 218º do CP com moldura penal de pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

1 crime de branqueamento – art.º 368º do CP com moldura penal de pena de prisão de 2 a 12 anos

1 crime de usurpação de obra – art.ºs 195º e 198.º do Código do Direito de Autor, com moldura penal de pena de prisão até 3 anos ou com pena de multa de 50 a 150 dias.

O arguido Luís Marreiros é acusado dos seguintes crimes:

1 crime de participação económica em negócio – art.º 23 da Lei n.º 34/87, com moldura penal de pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou pena de multa de 50 a 100 dias.

1 crime de burla qualificada – art.ºs 217º e 218º do CP com moldura penal de pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

1 crime de branqueamento – art.º 368º do CP com moldura penal de pena de prisão de 2 a 12 anos

O arguido Carlos Barros é acusado dos seguintes crimes:

1 crime de participação económica em negócio – art.º 23 da Lei n.º 34/87, com moldura penal de pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou pena de multa de 50 a 100 dias.

1 crime de branqueamento – art.º 368º do CP com moldura penal de pena de prisão de 2 a 12 anos

1 crime de burla qualificada – art.ºs 217º e 218º do CP com moldura penal de pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

O arguido João Lei é acusado dos seguintes crimes:

1 crime de participação económica em negócio – art.º 23 da Lei n.º 34/87, com moldura penal de pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou pena de multa de 50 a 100 dias.

1 crime de burla qualificada – art.ºs 217º e 218º do CP com moldura penal de pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

1 crime de branqueamento – art.º 368º do CP com moldura penal de pena de prisão de 2 a 12 anos

O arguido José Agostinho é acusado dos seguintes crimes:

1 crime de participação económica em negócio – art.º 23 da Lei n.º 34/87, com moldura penal de pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou pena de multa de 50 a 100 dias.

2 crimes de burla qualificada – art.ºs 217º e 218º do CP com moldura penal de pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

1 crime de branqueamento – art.º 368º do CP com moldura penal de pena de prisão de 2 a 12 anos

O arguido Paulo Pereira é acusado dos seguintes crimes:

1 crime de participação económica em negócio – art.º 23 da Lei n.º 34/87, com moldura penal de pena de prisão de 6 meses a 3 anos ou pena de multa de 50 a 100 dias.

1 crime de burla qualificada – art.ºs 217º e 218º do CP com moldura penal de pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

1 crime de branqueamento – art.º 368º do CP com moldura penal de pena de prisão de 2 a 12 anos

A arguida sociedade SIMPLIRADAR, LDA:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade IDENTIK WORLD, SA:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade CENTRAL PICTURE SGPS, SA:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade PRODPICTURE, SA:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade SPRING CLOCK, LDA:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade CINEPICTURE PORTUGAL STUDIOS SA

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade GREEN TRACE ARCHITECTURE, LDA:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade LEI AGÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO, LDA:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade CELEUMA MULTIMEDIA, LDA:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade MR. DO IT, LDA:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade ASSOCIAÇÃO ALGARVE FILM COMISSION:

1 crime de burla qualificada

1 crime de branqueamento

A arguida sociedade MEDIA 360 LDA:

1 crime de burla qualificada.

O Ministério Público apresenta um pedido de indemnização cível contra os arguidos, a pagar solidariamente entre os mesmos, no valor de 4.614.448,20 euros.

Ao longo do processo foram constituídos outros arguidos, que não foram acusados, designadamente:

Lélio de Sousa Branca – Director-Geral na Portimão Urbis

Manuel António da Luz – Presidente da Câmara Municipal de Portimão

José Fernando Rocha – Presidente do Portimonense Sporting Club

Nuno Arroteia – Sociedade Mindscope Unipessoal Lda.

Leia também:

Ministério Público avança com acusação contra ex-autarcas de Portimão

(Visited 2.325 times, 1 visits today)
pub
ViladoBispo_Banner_Fev
pub
pub

pub

pub

pub

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.