Criar condições para que os hotéis possam manter os trabalhadores ao longo de todo o ano

pub

O presidente da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), Elidérico Viegas, defendeu a necessidade de serem encontrados mecanismos que permitam às empresas manter os seus trabalhadores ao longo de todo o ano.

Mesmo em alturas em que os hotéis e outros estabelecimentos têm de fechar ou precisam de muito menos mão-de-obra, devido ao problema da sazonalidade, deveriam ter a possibilidade de manter a totalidade dos funcionários em acções de formação. Isto para que, quando chegar a época alta, não tenham que se confrontar com a falta de trabalhadores em quantidade e em qualidade.

Intervindo, este Sábado, em Portimão, no seminário «Promover a Excelência na Hotelaria no Algarve», promovido pelo Instituto Superior Manuel Teixeira Gomes (ISMAT), Elidérico Viegas reivindicou “um maior envolvimento da iniciativa privada” nas acções de promoção, para lhes dar uma vertente mais significativa ao nível das vendas.

Quanto à animação, manifestou a opinião que a região deve apostar em “meia-dúzia de grandes eventos”, que façam parte do calendário europeu e que contribuam, efectivamente, para trazer mais turistas ao Algarve.

Este dirigente associativo lembrou que a região tem beneficiado dos problemas, sobretudo de segurança, que têm afectado alguns dos destinos seus concorrentes, mas corre o risco de “perder competitividade” à medida que a situação nesses países comece a estabilizar.

Para que isso não aconteça é preciso que, em devido tempo, o país e a região se preparem, não só ao nível da promoção, animação e recursos humanos, mas também em áreas como a saúde, com a criação de um hospital central no Algarve, e na segurança que, hoje em dia, “é o primeiro factor de decisão na escolha do destino de férias”.

No entanto, lamenta que os principais decisores públicos se mostrem “mais interessados em anunciar sucessos do que em tomar as medidas que seriam necessárias e indispensáveis para que possamos enfrentar períodos menos bons que, fatalmente, irão ocorrer no futuro.”

Nestes últimos anos, reconhece que as taxas de ocupação têm vindo a aumentar e espera que, este ano, os hotéis tenham uma taxa média de ocupação de 65%, o que já não acontecia há quase duas dezenas de anos, situação que lhes permitirá recuperar “a capacidade para gerir a política de preços e rentabilizar os investimentos feitos.”

Mas, lembra que esta trajectória ascendente começou há apenas 3 ou 4 anos e que não é suficiente para as empresas recuperarem dos muitos desafios que tiveram de enfrentar desde o virar do século.

Veja aqui uma entrevista de Elidérico Viegas, dada ao jornal «O Algarve», à margem deste seminário.

Leia também:

Cursos para desempregados (Faro)

Mais de 100 empregos por ocupar no Continente

PSP de radar em punho (Maio)

(Visited 104 times, 1 visits today)
pub
pub
pub
ViladoBispo_Banner_Fev
pub
pub
pub

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.