O embuste em torno da estação dos caminhos de ferro de Lagos

Já lá vão cerca de vinte anos em cima. Tal como hoje, falava-se em revitalizar e dar nova vida aos caminhos de ferro de Portugal que passariam pelo interior e percorreriam o litoral.

E para que a mensagem começasse a passar e a chamar a opinião pública para a sua causa, um vasto programa de marketing se começou a desenvolver e a percorrer o país.

E Lagos não ficou alheia ao processo. Com uma sessão bem preparada e toda ela orientada para se conseguir a adesão da população, veio-se vender um plano de especulação para os terrenos da estação e que se inseria num projeto maior a que chamaram de “estações com vida”. E Lagos, segundo os vendedores da ideia de especulação dos terrenos envolventes à estação, não poderia ficar de fora.

Conforme a ideia dos arautos de um plano tão abrangente e preparado para fazer face aos desafios de um futuro próximo ou mais distante, uma nova estação se iria construir e dar nova vida a todo aquele espaço de Lagos.

Mas jamais se poria em causa esse edifício quase secular que viu muitos comboios a chegar e a partir e milhares de pessoas, durante anos afio, a percorrer o seu interior.

Sempre na esfera pública para manter essa imagem ancestral, teria fortes probabilidades de se transferir para as mãos da Câmara Municipal.

No restante e abundante espaço da estação iria nascer um empreendimento imobiliário em que o turismo seria o setor dominante à semelhança do que acontece em parte do seu espaço envolvente. E, um pouco mais para sul, já com alinha encurtada e roubada ao seu troço final, nasceria a nova estação para deixar a vertente norte entregue a esse projeto de especulação.

Com a ideia vendida e o projeto tacitamente aceite por falta de reação, eis que os trabalhos avançam para se erguer a nova estação. Um edifício descaracterizado e com alguma funcionalidade começa a nascer para receber quem aporta pelo caminho de ferro ao território de Lagos. Para trás fica o emblemático e quase secular edifício da estação à espera da sua reconversão para fins culturais onde a museologia parece ter a primazia.

Era uma vez o projeto “estações com vida”…

Mas enquanto a nova estação, integrada nesse projeto global de “estações com vida” lá foi avançando, os terrenos envolventes e o antigo edifício da estação, vergados ao peso dos tempos de recessão, entraram em franco estado de degradação.

Vidros de portas e janelas partidos, antigo relógio vandalizado e o restante espaço deixado à sua sorte, lá foi aquele ícone dos caminhos de ferro de Lagos deixado ao abandono e à procura dos sem abrigo que procuravam a proteção do seu alpendre.

E assim os tempos foram passando até que a recessão aparentemente passou com novos tempos a regressarem e a despertarem outros interesses sobre espaços com apetências imobiliárias.

É dentro deste novo contexto que as placas a anunciar a venda daquele território tão emblemático começam a dar a conhecer que aqueles espaços acabaram por se vender.

Mas se a venda dos terrenos envolventes não causam admiração, já foge a tudo o que fora anunciado, nessa sessão do Centro Cultural de Lagos, o edifício da estação. Esse, segundo foi apregoado, seria salvaguardado como espaço museológico ou com finalidades culturais e não deixaria de pertencer à esfera pública.

Mas, em oposição ao que fora anunciado a toda a população, a placa afixada na estação indica que também aquele edifício icónico foi objecto de transação. Não se sabe, em termos de opinião pública, quem é o dono da estação, qual vai ser a sua finalidade e se continuará a funcionar como edifício emblemático naquela parte do território de Lagos.

Independentemente da sua funcionalidade futura e da preservação da traça do edifício, o embuste em torno do edifício da estação aconteceu na sessão, no Centro Cultural de Lagos, há cerca de duas décadas atrás, quando se apresentou o projecto das “estações com vida”.

Nessa altura, a estação seria preservada e não passaria para a esfera privada. Passado todo este tempo, tudo se alterou e, desta forma, o embuste em torno da estação se consumou.

 

(Opinião: Guedes de Oliveira)

Leia também:

Câmara de Lagos dá primeiro passo para a criação da Taxa Turística

Homem cai numa falésia

Duas ofertas de emprego para Câmara algarvia

(Visited 910 times, 1 visits today)
pub

pub
pub
ViladoBispo_Banner_Fev
pub

pub