“Queremos uma maioria inequívoca”

A cabeça-de-lista do PS, pelo Algarve, às próximas eleições Legislativas é Jamila Madeira que não fixa um objetivo concreto, em termos de resultados, mas que assume querer que, no Algarve e no país, o seu partido tenha uma “maioria inequívoca”.

Leia todas as mini entrevistas aqui

Ficou surpreendida por ter sido escolhida para nº1 da lista ou já contava com isso?

Vejo essa escolha como um honra, uma enorme responsabilidade e o reconhecimento de algum trabalho feito. Mas mais importante do que isso é um facto da nossa lista ser composta por pessoas que têm desenvolvido um percurso que os algarvios reconhecem, de defesa do Algarve e com uma proximidade aos algarvios que creio que é inquestionável.

Que expectativas eleitorais tem, quantos deputados do PS espera que sejam eleitos pelo Algarve?

Durante quatro anos tivemos todo um processo de construção e de reconstrução da economia, da qualidade de vida dos cidadãos, da reposição de rendimentos, da diminuição para menos de metade da taxa de desemprego, da recuperação do salário mínimo e do reforço muito substancial dos abonos de família.

Acreditamos na confiança do eleitorado, não especulamos sobre resultados, mas, naturalmente que queremos uma maioria inequívoca em todo o país e que ela seja muito expressiva no Algarve.

Em termos genéricos, quais vão ser os principais temas de campanha do PS na região?

Temos várias preocupações. Na saúde queremos continuar o trabalho que tem sido feito, de reforço de recursos humanos, de consultas ao nível dos cuidados primários e hospitalares, que subiram substancialmente, ou na diminuição das listas de espera para cirurgias. Foram dados passos positivos, mas é preciso continuar a reconstruir tudo aquilo que tinha sido desmontado e desmantelado, nesta área.

Queremos dar uma resposta mais qualificada e estruturada aos algarvios para que se sintam verdadeiramente protegidos no quadro do Serviço Nacional de Saúde.

E para além da saúde?

Um dos pilares essenciais do nosso programa vai ter a ver com as alterações climáticas que convergem com muitas áreas. Têm, por exemplo, impacto na questão da água, que é algo absolutamente crítico, não podemos olhar para a próxima legislatura sem enfrentar este desafio.

Os estudos que existem demonstram que a nossa região sofrerá vários impactos diretos no quadro das alterações climáticas e que teremos que olhar para o turismo e a agricultura tendo isso em perspetiva.

Uma outra questão que nos preocupa é a dos preços da habitação. Nos últimos tempos foram produzidas alterações legislativas nessa área e queremos ver, durante a próxima legislatura, a sua aplicação prática. É importante que nos permitam resolver o problema da dificuldade do acesso à habitação, criando condições para a fixação de preços que sejam suportáveis, para os jovens, para as famílias da classe média e para as famílias mais carenciadas.

Temos de resolver estes e outros desafios numa lógica de coesão territorial. Isso significa que temos de olhar não apenas para o litoral, onde a pressão e a densidade populacional são muito grandes e que tem um determinado tipo de problemas, mas também para o interior, onde as dificuldades de fixação de população e de atividades económicas são muito sensíveis.

 

LEIA TAMBÉM:

Francisco Martins já cedeu o seu lugar a Luís Encarnação

Vem aí o descalabro

Oferta de emprego para a EMARP

 

(Visited 395 times, 1 visits today)
pub
pub
ViladoBispo_Banner_Fev